Categorias

Apostolado da Oração

Pesquisa

A República Aristocrática Feminista Cibernética

A República Aristocrática Feminista Cibernética

Celso Candido de Azambuja, ‘A República Aristocrática Feminista Cibernética: Liberdade e Poder na Sociedade Tecnocientífica Complexa’, Revista Portuguesa de Filosofia 73, no. 1 (2017): 133–58, DOI .17990/rpf/2017_73_1_0133

Mais detalhes

À venda À venda!
10,00 €

137310133

Disponível apenas on-line



  • A República Aristocrática Feminista Cibernética: Liberdade e Poder na Sociedade Tecnocientífica Complexa

    Type Journal Article
    Author Celso Candido de Azambuja
    Rights © 2017 Aletheia - Associação Científica e Cultural | © 2017 Revista Portuguesa de Filosofia
    Volume 73
    Issue 1
    Pages 133-158
    Publication Revista Portuguesa de Filosofia
    ISSN 0870-5283; 2183-461X
    Date 2017
    DOI 10.17990/rpf/2017_73_1_0133
    Language Portuguese
    Abstract This article focus on questioning democracy and thinking about the possibility of new ways of political governance in our technoscience days. In order to that, the initial point asks if democracy is really the best way of government. Exploring, in the form of a brief literary review, the conceptual definitions and problematizations around democracy present in the work of great western philosophers, it is purposed the idea that we cannot understand democracy as the universal and ideal form of good governance. Next, considering the increasingly complex societies and the crisis of the two modern metanarratives, such as liberalism and socialism, the article focus on problematizing the relations between power exercise and the new forms of human sociability and subjectivity that emerge today. In that context, the emancipatory possibilities are studied, purposing the central idea in which one of its main effects is the civil empowerment, thus constituting the objective and subjective conditions for republican ways of government. It is also argued in favor of aristocratic and feminist values and principles, and the cybernetic systems of human production and interchange as fundamental attributes of the contemporary republicanism. Finally, as a theoretical synthesis of new possibilities and ways of governance, beyond democracy, it is purposed the idea of an Aristocratic Feminist Cybernetic Republic.
    Date Added 21/04/2017, 10:00:33
    Modified 21/04/2017, 14:34:19

    Tags:

    • aristocracy
    • democracy
    • empowerment
    • feminism
    • republic
    • technoscience

    Notes:

    • Arendt, Hannah. Da Revolução. Tradução de Fernando Dídimo Vieira. Brasília: Ática e Editora Universidade de Brasília, 1988.  
      Aristóteles. Ética a Nicômaco. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bonhheim. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
      Aristóteles. A Política. Tradução de Nestor Silveira Chaves. Bauru: Edipro, 2009.  
      Arthur, W. B. The nature of technology, what it is and how it evolves. New York: Free Press, 2009.
      Azambuja, Celso. A república digital, poder e política na sociedade tecnológica. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2011.
      Azambuja, Celso. Tecnociência, Ética e Poder: ensaios para a compreensão da civilização tecnocientífica. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2012.
      Bauman, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
      Bauman, Zygmunt. Amor líquido. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
      Berners-Lee, Tim. Weaving the web. New York: HarperCollins Publishers Inc., 2000.
      Bobbio, Norberto. Qual Socialismo? Tradução de Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
      Bobbio, Norberto. Liberalismo Democracia. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo. Editora Brasiliense, 1988.
      Beauvoir, Simone. O Segundo Sexo. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.
      castells, Manuel, Fernández-Ardèvol, M., Qiu, J., and Sey, A. Mobile Communcation and Society: a global perspective. Cambridge: MIT Press, 2007.
      castells, Manuel.  Communication power. New York: Oxford University Press, 2009.
      Castoriadis, Cornelius. Instituição Imaginária da Sociedade. Tradução de Guy Reynoud. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
      Constant, Benjamin. “A liberdade dos antigos comparada com a dos modernos” in  Revista Filosofia Política n. 2, 9-25. Tradução de  Loura Silveira. Porto Alegre: Editora L&PM, 1985.
      Evans, David. “Aristotle on techne”. In Les philosophes et la technique, edited by Chabot, Pascal and Gilbert Hottois,  37-47. Paris: VRIN, 2003.
      Foucault, Michel. Microfísica do Poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1982.
      Freud, Sigmund. “O mal-estar na civilização”. In Obras psicológicas completas, v. XXI. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro:  Imago, 1980.
      Galimberti, Umberto. Psiche e Techne, o homem na idade da técnica.  Tradução de José Maria de Almeida. São Paulo: Paulus, 2006.
      Gates, Bill. A Estrada da Informação. Tradução de Beth Vieira e outros. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
      Guattari, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Brasiliense, 1981.
      Guattari, Félix. Caosmose. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: 34, 1992.
      Guattari, Félix. Les trois écologies. Paris: Galilée, 1989.
      Guattari, Félix and Rolnik, Suely. Micropolítica, cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.
      Hegel, Georg F. W. Introdução à história da filosofia. Tradução de Antonio Pinto de Carvalho. Coimbra: Arménio Amado, 1980.
      Heidegger, Martin.  A questão da técnica. Tradução de Marco Aurélio Werle. Scientia Estudia, 2007, acesso Julho, 2016, http://www.scientiaestudia.org.br/revista/PDF/05_03_05.pdf.
      Heidegger, Martin. Heráclito. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1998.
      Heidegger, Martin. Die frage nach der technik. Frankfurt: Vittorio Klostermann, 2000.
      Hobbes, Thomas. Leviatã. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
      Hottois, Gilbert. Do renascimento à pós-modernidade: uma história da filosofia moderna e contemporânea.  Tradução de Ivo Storniolo. Aparecida: Idéias & Letras, 2008.
      Johnson, Steven. Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades. Tradução de Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002
      Jung, Carl G. O eu e o inconsciente.  Tradução de Dora Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes, 1987.
      Jung, Carl G. Psicologia do inconscinete. Tradução de Dora Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes, 1987.
      Lecourt, Dominique. Humano pós-humano: a técnica e a vida.  Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, 2005.
      Lenin, Vladimir. O estado e a revolução. Tradução de Aristides Lobo. São Paulo: Hucitec, 1986.
      Lévy, Pierre. As tecnologias da inteligência. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: 34, 1994.
      Locke, John. Segundo tratado sobre o governo. Tradução de E. Jacy Monteiro. São Paulo: Abril Cultural,  1973.
      Lyotard, Jean-François. O pós-moderno. Tradução de Ricardo Correa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.
      Maquiavel, Nicolau. O Príncipe. Tradução de Roberto Grassi. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.
      Marx, Karl. O Capital. Livro 1, vols. I e II. Tradução de Reginaldo Sant’anna. Rio de Janeiro: DIFEL, 1984.
      Marx, Karl e Engels, Friedrich. A ideologia alemã. Tradução de Luis Claudio de Castro e Costa.  São Paulo: Martins Fontes, 2001.
      McLuhan, Marshall. Os meios como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 1964.
      Negroponte, Nicolas. A vida digital. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
      Nietzsche, Friedrich. La généalogie de la morale, une écrit polémique pour compléter et éclairer Par-delà bien et mal récemment  publié. Traduction par Jean Gratien et Isabelle Hildenbrand. Paris: Gallimard, 1978.
      Nietzsche, Friedrich.  Par delà bien et mal. Traduction par Jean Gratien et Isabelle Hildenbrand. Paris: Gallimard, 1978.
      Platão. A República. Tradução de Anna Lia Amaral de Almeida. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
      Rousseau, Jean-Jacques. Do contrato social. Tradução de Lourdes Santos Machado. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
      Shaara, Michael. “2066: dia de eleição” in História de Robôs 3, editado por Isaac Asimov, 168-187. Tradução de Milton Persson. Porto Alegre: L&PM, 2007.
      Schaff, Adam. A sociedade informática. Tradução de Carlos Eduardo Jordão Machado e Luiz Arturo Obojes. São Paulo: UNESP/Brasiliense, 1990.
      Virilio, Paul. Velocidade e política. Tradução de Celso M. Paciornik. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.
      Weffort, Francisco. Por que democracia? São Paulo: Brasiliense, 1984.

Carrinho  

Sem produtos

Envio 0,00 €
Total 0,00 €

Preços com taxas excluídas

Carrinho Encomendar

PayPal

Pesquisa