Categorias

Apostolado da Oração

Pesquisa

Hospitalidade nas Margens da Experiência Humana

Hospitalidade nas Margens da Experiência Humana

Mário Garcia, Ana Paula Pinto, e Maria José Ferreira Lopes, «Hospitalidade nas Margens da Experiência Humana», Revista Portuguesa de Humanidades 26, n.o 1–2 (2022): 11–14, https://doi.org/10.17990/RPH/2022_26_1_011.

Mais detalhes

À venda À venda!
10,00 €

222610011

Disponível apenas on-line



Hospitalidade nas Margens da Experiência Humana

Tipo Artigo em Revista Científica
Autor Mário Garcia
Autor Ana Paula Pinto
Autor Maria José Ferreira Lopes
Resumo Ao festejar o seu 25º aniversário, a Revista Portuguesa de Humanidades decidiu adoptar como temática prioritária uma questão de indiscutível pertinência nos tempos que correm: a Hospitalidade. O texto de lançamento do volume recomendava como ponto de partida inspirador os textos fundacionais da cultura ocidental. Os Poemas Homéricos, primeiros testemunhos literários da Europa, sublinham a força expressiva dos dinamismos de hospitalidade nas relações interpessoais. O imperativo religioso de culto aos deuses e de protecção aos mais fracos, o acolhimento prestado ao amigo ou ao desconhecido em itinerância, os rituais de recepção e de convivialidade à mesa, onde todos são iguais, surgem como modelos que promovem o reconhecimento da dignidade do outro. Num mundo marcado pelas mesmas vicissitudes que desde sempre caracterizaram a vida humana – fomes, pestes, guerras, exílios – o exemplo de Ulisses, involuntariamente arrastado para uma guerra estranha, detido longe da pátria num regresso de excepcionais tribulações, perseguido por infortúnios sem fim, maltratado até dentro do seu próprio palácio, assume uma simbologia perene, que se replicará, plasmada em diferentes contextos históricos, em tensões dicotómicas que complexamente confrontam o princípio da identidade e da alteridade. Enquanto a Tragédia Clássica, muito marcada pelos conflitos pessoais e colectivos, insiste na dicotomia do civilizado e do bárbaro, também no contexto da história vários escritores recuperarão a memória de infelizes, refugiados e exilados, coagidos a adoptar fora do seu cenário natal outros padrões de cultura, e a partilhar os seus. Similares vivências de tribulação estão também plasmadas nas narrativas bíblicas, e aportam à tradição ocidental a centralidade dos dinamismos da hospitalidade, na construção complexa da vivência humana. Os alicerces greco-latinos e judaico-cristãos oferecem, a par de outras culturas geograficamente mais distantes da Europa, as bases para uma reflexão em novos contextos e tempos, afinal em quase tudo semelhantes ao passado. Com efeito, a hiperactividade das comunicações, apoiada por desenvolvimentos científicos e técnicos sem precedentes, está a gerar nas sociedades contemporâneas – cada vez mais globalizadas, multiculturais, e expostas ao outro – a ilusão do completo esbater de todas as fronteiras e distâncias. A mesma desenfreada exposição mediática, que expõe as vivências humanas, em qualquer canto do mundo, e a qualquer canto do mundo, sem a necessidade do contacto próximo, faz, no entanto, sobressair a certeza de que nem sempre o reconhecimento da alteridade fundamenta o desejo do encontro hospitaleiro. Afectada por uma pandemia de proporções inesperadas, assolada por crises políticas e vagas migratórias de excepcional amplitude, dividida por recorrentes manifestações de nacionalismos, populismos e múltiplas variantes de discriminação, a sociedade contemporânea parece alimentar, de forma crescente e perturbadora, o preconceito da superioridade que legitima a destruição do Outro. É, por isso, cada vez mais premente revitalizar o debate em torno do tema da hospitalidade. Este fascículo da Revista Portuguesa de Humanidades pretende contribuir para a construção de uma humanidade mais solidária e fraterna. Não se trata de uma diacronia rigorosa, cuja compreensão se fundamente em determinado padrão civilizacional: o leitor poderá certificar-se da ordenação histórica, aberta ao futuro. A paisagem do mundo em que vivemos não se esgota em visões parcelares, pois o traço que as unifica e reúne está por vir. A leitura, atenciosa e amável, fará convergir para o alto a esperança inconsútil na paz universal. “A hospitalidade é uma maneira concreta de não se privar deste desafio e deste dom que é o encontro com a humanidade para além do próprio grupo” (Papa Francisco, Fratelli Tutti, Carta encíclica sobre a fraternidade e a amizade social, 2020, nº 90).
Data 2022
Língua Portuguese
Direitos © 2022 Aletheia - Associação Científica e Cultural
Extra Hospitality on the Margins of Human Experience
Volume 26
Páginas 11-14
Publicação Revista Portuguesa de Humanidades
DOI 10.17990/RPH/2022_26_1_011
Número 1-2
ISSN 0874-0321
Data de Adição 30/12/2022, 01:24:16
Modificado 30/12/2022, 17:14:04

Carrinho  

Sem produtos

Envio 0,00 €
Total 0,00 €

Carrinho Encomendar

PayPal

Pesquisa